MARCADOR DE LIVRO ENVIA TUÍTES PARA LEITORES RETOMAREM A LEITURA

Redes sociais e comunicadores instantâneos juntaram-se às inúmeras tarefas cotidianas das pessoas, roubando o espaço de uma atividade saudável e prazerosa para a mente: a leitura. Na campanha da agência Mood para a editora Penguin, em vez de um vilão que impede o leitor de encarar os últimos capítulos do livro, o digital atua como um aliado.

Tweet For Read (Tuíte para ler, em tradução livre do inglês), eleito pelo IAB Brasil como o melhor case de julho, consiste em um marcador de página que emite um alerta no Twitter quando a pessoa passa um tempo sem ler. A ferramenta possui um sensor de luz e um timer que é ativado no escuro. Se o título não for aberto durante uma semana – ou um período previamente programado), um nano computador com wi-fi localizado no dispositivo dispara um tuíte para o perfil do leitor com uma frase do autor que está sendo lido.

A ação partiu de uma pesquisa da Fundação Pró-Livro e do Ibope Inteligência, divulgada no início do ano, cujos dados apontam que a queda do hábito de leitura deve-se ao fato de que as pessoas preferem ver entretenimento na televisão e na internet.

Fonte: Blog do Galeno

Marisa Lajolo é a nova curadora do Prêmio Jabuti, que também ganha uma nova categoria de tradução

premio_jabuti_2

 A partir deste ano, o destino dos quelônios dourados entregues aos melhores escritores, capistas e tradutores do mercado editorial brasileiro estará nas mãos da escritora e professora de literatura Marisa Lajolo. Ela é a nova curadora do Prêmio Jabuti, organizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), e ocupará o lugar do livreiro e agitador lítero-cultural José Luiz Goldfarb, responsável pela curadoria da láurea desde 1991. Marisa Lajolo tem mestrado e doutorado em Literatura pela USP, e é professora de Literatura na Universidade Presbiteriana Mackenzie e na Unicamp. Ela ressaltou um desafio específico que a curadoria do Jabuti lhe traz: “Levar para o prêmio a experiência de pesquisas sobre livros e leitores no Brasil e, simultaneamente, fecundar diferentes setores da cultura do livro e da leitura no País, particularmente na esfera educacional, com as possibilidades abertas pelas inúmeras parcerias que o prêmio celebra.”

Além de nova curadora, a 56ª edição do Prêmio Jabuti traz também como novidade a categoria de “Tradução de Obra de Ficção Inglês-Português”, graças a uma parceria com o British Council. Na nova categoria, poderão concorrer apenas obras literárias (prosa, poesia ou dramaturgia), traduzidas diretamente de escritores nascidos ou residentes no Reino Unido para língua portuguesa falada e escrita no Brasil. O tradutor vencedor do primeiro lugar receberá, além do prêmio em dinheiro dado pela CBL, uma viagem a um festival literário no Reino Unido em 2015 com todas as despesas pagas. A premiação integra o Programa British Council de Tradução Literária. A cerimônia de entrega do Prêmio Jabuti deste ano acontecerá em 18 de novembro no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo. (Crédito: Carlo Carrenho)

Curiosidades Literárias – O que é ISBN?

Você já se perguntou o que seria aquela sequência númerica presente na capa dos livros?

Figura1

Aqueles números representam o ISBN (International Standard Book Number), um sistema de identificação mundial para os livros. O ISBN repesentam de forma simplificada o título, o autor, o país e a editora de cada obra, individualizando cada livro inclusive por edição.

Desde 1978 a Fundação Biblioteca Nacional representa Agência Internacional do ISBN no país. Em 2007, o ISBN passou de dez para 13 dígitos, com a adoção do prefixo 978. Essa alteração foi realizada com o objetivo de aumentar a capacidade do próprio sistema, uma vez que cresce a cada dia o número de publicações no país e no mundo. (Fonte: Agência Brasileira do ISBN)

:::::Curiosidades Literárias 01:::::

 primeira_sessao

Você sabe quem foi o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL)?

Inaugurada em 20 de julho de 1897, a Academia Brasileira de Letras, surgiu com o objetivo de cultivar tanto a língua, quanto a literatura nacional. E sua primeira sessão foi presidida por ninguém menos que Machado de Assis.

Leia abaixo seu discurso durante a sessão de inauguração:

“Senhores,

Investindo-me no cargo de presidente, quisestes começar a Academia Brasileira de Letras pela consagração da idade. Se não sou o mais velho dos nossos colegas, estou entre os mais velhos. É simbólico da parte de uma instituição que conta viver, confiar da idade funções que mais de um espírito eminente exerceria melhor. Agora que vos agradeço a escolha, digo-vos que buscarei na medida do possível corresponder à vossa confiança.

Não é preciso definir esta instituição, iniciada por um moço, aceita e completada por moços, a Academia nasce com a alma nova, naturalmente ambiciosa. O vosso desejo é conservar, no meio da federação política, a unidade literária. Tal obra exige, não só a compreensão pública, mas ainda e principalmente a vossa constância. A Academia Francesa, pela qual esta se modelou, sobrevive aos acontecimentos de toda casta, às escolas literárias e às transformações civis. A vossa há de querer ter as mesmas feições de estabilidade e progresso. Já o batismo das suas cadeiras com os nomes preclaros e saudosos da ficção, da lírica, da crítica e da eloquência nacionais é indício de que a tradição é o seu primeiro voto. Cabe-vos fazer com que ele perdure. Passai aos vossos sucessores o pensamento e a vontade iniciais, para que eles o transmitam aos seus, e a vossa obra seja contada entre as sólidas e brilhantes páginas da nossa vida brasileira. Está aberta a sessão.” (fonte: ABL)